Venda irregular de túmulos em Mafra é investigada pela Polícia Civil

Segundo a Polícia Civil, as investigações apontam fortes indícios de que pelo menos 30 lotes podem ter sido negociados informalmente por servidores municipais a valores exorbitantes.

Fotos: Polícia Civil de Mafra

 

Continua após a Publicidade

Continua após a Publicidade

 

A Polícia Civil está investigando a venda irregular de túmulos no cemitério de Mafra.

 

De acordo com a Divisão de Investigações Criminais (DIC), servidores municipais que atuam no local estariam vendendo por conta própria lotes a valores exorbitantes, além de obrigar as famílias a contratarem empresas que faziam parte do mesmo “esquema” para construção e reforma dos túmulos.

 

A Polícia Civil destacou que a legislação que rege o tema em Mafra, impõe que a família recolha uma taxa que varia entre R$ 300 e R$ 500, para que tenha a concessão do lote no cemitério.

 

As diligências apuraram que os lotes eram negociados a valores entre R$ 3 mil a R$ 9 mil, que não eram recolhidos ao tesouro municipal, além das famílias serem também obrigadas a recolherem a taxa da concessão.

 

Segundo as investigações, há fortes indícios de que pelo menos 30 lotes foram comercializados de forma irregular no último ano, entre espaços livres e túmulos antigos. A Polícia Civil também busca apurar onde os restos mortais dos túmulos “tomados” eram descartados.

 

Desde sexta-feira (1), várias diligências foram realizadas, onde foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão: na casa de um servidor em Mafra e em uma empresa especializada em túmulos em Itaiópolis. Foram recolhidos celulares, documentos e outros elementos de informação.

 

 

“Estivemos no cemitério, conversamos com as famílias e constatamos fortes indícios de que houve venda irregular de lotes no cemitério. O que importava era o lucro, em desrespeito ao sentimento de dor das famílias lesadas”, afirmou o delegado regional Nelson Vidal.

 

O delegado também destacou a colaboração da Prefeitura de Mafra nas investigações. “A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente tem sido bem colaborativa e nos fornecido todas as informações necessárias”, pontuou.

 

O inquérito policial apura os crimes de corrupção passiva, associação criminosa e estelionato contra a administração pública.

 

Foto: Prefeitura de Mafra

 

Sindicância

Ao Riomafra Mix, a Prefeitura de Mafra informou que instaurou um processo administrativo e que está colaborando com a Polícia Civil para averiguação desses fatos.

 

Também informou que o servidor investigado foi afastado de suas funções no cemitério.

 

Recadastramento

Desde segunda-feira (4), está sendo realizado o recadastramento e regularização dos títulos de propriedade dos lotes do cemitério municipal.

 

A ação está acontecendo na Rodoviária de Mafra, até 4 de novembro, e segundo a Prefeitura, vai colaborar pra evitar novas ações nesse sentido.