Empresário de Itaiópolis é preso suspeito de extorsão e agiotagem

Segundo a Polícia Civil, as cobranças eram feitas por meio de coação, constrangimento, ameaça e chantagem, sempre com muita agressividade.

Ação policial em revenda de veículos, em Rio Negrinho. Foto: Divulgação/Redes sociais

 

 

Um empresário, que não teve a idade divulgada, foi preso pela Polícia Civil na tarde desta sexta-feira (21), em Itaiópolis.

 

Ele é suspeito de integrar uma organização criminosa que cometia extorsão e agiotagem em Rio Negrinho.

 

A ação, batizada de “Operação Avalanche” e realizada por policiais civil de São Bento do Sul e Mafra, também cumpriu quatro mandados de prisão preventiva em Rio Negrinho e um em Itaiópolis, totalizando cinco presos até o momento.

 

Segundo a Polícia Civil, o grupo agia há meses na região, praticando agiotagem diretamente por meio de empréstimo de dinheiro às vítimas.

 

“A cobrança de quem não pagava em dia os valores do empréstimo ou o valor da dívida era feita por meio de coação, constrangimento, ameaça e chantagem, sempre com muita agressividade”, destacou a Polícia Civil.

Ainda, segundo os policiais civis, os agiotas abordavam as vítimas em locais de trabalho e em suas casas, usando armas de choque e de fogo.

 

“Eles exigiam o valor e dando prazo exíguo para o cumprimento da suposta obrigação. As vítimas recebiam contatos de extorsão, via ligações telefônicas, mensagens de texto e fotografias, por meio de aplicativos de mensagens. Nas mensagens, destaca-se o conhecimento dos criminosos sobre a rotina das vítimas, de seus familiares, locais de moradia e veículos que possuíam. Tudo isso, utilizado pelos suspeitos em tom ameaçador, de morte e agressões diversas”, completou a Polícia Civil.

 

Ainda, de acordo com as investigações, o grupo obedecia os proprietários de uma revenda de veículos em Rio Negrinho, onde um deles foi preso. Também foi preso um agiota e três responsáveis pelas cobranças.

 

Os cinco homens foram encaminhados ao Presídio Regional de Mafra, onde responderão pela prática dos crimes de extorsão, agiotagem e organização criminosa.

 

A Polícia Civil também destacou que outros suspeitos de integrar a organização já foram identificados, e deverão responder pelos mesmos crimes.

 

Com informações da Polícia Civil.